DESIGNED BY JOOMLATD
    • Marchigiana - O Melhor da Itália no Brasil!
    • Adquira Já...! Produtos personalidos da ABCM

Banco de Genética

Conheça nosso banco de genética

A ABCM te ajuda na sua escolha.. saiba mais aqui!

 


Equipe Técnica

Encontre nossos Técnicos

Nossos técnicos estão nos mais diversos estados do País. Saiba mais Aqui!

 


Caracteristicas da Raça

Touro POTipo produtor de carne caracterizado por notável desenvolvimento dos músculos e do quarto traseiro, com um tronco alongado e que tende a ser cilíndrico. Particularmente precoce e adaptado aos ambientes mais difíceis.
Do bovino Marchigiana, devemos ressaltar, principalmente, o grande comprimento de seu tronco, a força de seus diâmetros transversais e a fineza da sua estrutura esquelética. Considerando em sua totalidade, é harmonioso, ágil em seus movimentos e de temperamento dócil.
Ele se caracteriza pela sua elevada capacidade de ganho de peso (os indivíduos adultos  podem superar o peso de 1.200 Kg nos touros e 700 Kg nas vacas) com adequado acabamento de carcaça , altas taxas de fertilidade, rusticidade, sendo uma das características mais marcantes a tolerância ao calor.
Vaca PO com Bezerro POOs animais nascem em média com 42 Kg de peso ao nascer e estão aptos à reprodução à partir dos 16 meses para fêmeas e 18 meses para os machos.
Na busca de animais mais precoces, a raça passou por uma evolução nos últimos cinco anos. Houve uma sensível diminuição na altura dos animais com incremento na profundidade torácica, comprimento  e musculosidade.

 

 

 


PADRÃO DA RAÇA                                                                                          

 ESTATURA
Desejada - machos adultos - 1,55 m. de altura de cernelha
                   vacas adultas -  1,47 m. de altura de cernelha

 PESO VIVO - De acordo com a idade.

 PELAME- Pelos brancos, curtos, lisos, brilhantes. Nos machos podem existir áreas de escurecimento dos pelos na parte anterior do corpo, ou seja, em torno dos olhos, nos antebraços, nas orelhas e na barbela pela presença de pelos pretos ou cinza escuros, mesclados com pelos brancos. Vassoura da cauda preta ou mesclada e cílios pretos. Os bezerros ao nascer têm uma coloração castanha-avermelhada, tornando-se brancos em torno do terceiro mês de vida.

 PIGMENTAÇÃO-Tanto em machos como em fêmeas, pele, pálpebras, mucosas orais (espelho do focinho, palato da língua), aberturas naturais e cascos devem ser pretos ou cinza escuros (ardósia).

 PELE - Solta, macia, facilmente palpável em pregas.

 CABEÇA - Leve, curta e larga, perfil retilíneo; marrafa bem destacada com tufo de pelos brancos ou ligeiramente acinzentados, olhos grandes, focinho largo, preto, não despigmentado, narinas amplas e dilatadas, lábios pronunciados, mandíbulas fortes, orelhas médias, bem implantadas, retilíneas.

 CHIFRES- De seção elíptica  na base, com inserção lateral direcionando-se para o alto e pretos nos animais jovens, amarelados ou mais claros na inserção e pretos nas pontas dos animais adultos, curtos, grossos. É permitida a descorna.

 PESCOÇO - curto, grosso e giboso nos machos, um pouco mais alongado e menos musculoso  nas fêmeas, barbela desenvolvida projetando-se até a região do esterno.

 


 PALETA- larga, ampla e musculada, bem aderida ao tronco, paralela ao plano sagital médio, e apropriadamente angulada.

 CERNELHA - larga e musculosa, unindo-se harmoniosamente ao pescoço.

 DORSO- longo, largo e musculoso.

 LOMBO - musculoso, espesso, largo e longo. Linha dorso-lombar retilínea.

 PEITO- largo e musculoso.

 TÓRAX - amplo e profundo. Sua profundidade deve exceder a distância do esterno ao solo, sendo que 60% da altura da cernelha deve corresponder à profundidade do tórax, com costados bem arqueados.

 VENTRE - amplo firme, bem suportado.

 FLANCOS- arredondados, bem conectados com as áreas adjacentes.

 


GARUPA - musculosa e bem desenvolvida.
A - Comprimento: desenvolvido e com uma leve inclinação antero-posterior;
B - Largura: ampla e plana.
A vértebra sacra não deve ser muito marcada. Cauda fina com inserção correta.

 COXAS - amplas e de contorno convexo, com acentuado desenvolvimento muscular.

 NÁDEGA - bem desenvolvida e com um perfil convexo bem evidenciado.

 MEMBROS ANTERIORES - aprumos corretos, com articulações fortes e bem posicionados. As canelas devem demonstrar leveza esquelética.

 MEMBROS POSTERIORES - aprumos corretos, pernas musculosas, jarretes fortes com correta angulação, canelas sólidas e leves.

 CASCOS - de tamanho adequados, fortes, com talões altos.

 ÚBERE: bem desenvolvido, vascularizado e com base larga. Quartos regulares. Macio ao tato. Tetos bem direcionados e dimensionados para o aleitamento.

 TESTÍCULOS- bem proporcionais e desenvolvidos. (os animais com idade superior a 36 meses devem possuir circunferência escrotal igual ou superior a 41 cm)

 


PREPÚCIO - curto e bem implantado.

 DEFEITOS
    a. -  Que desclassificam para Registro em Livro Genealógico.
    a.1 - Pele totalmente rósea;
    a.2 - Despigmentação parcial da língua, com início na região frênica;
    a.3 - Vassoura da cauda totalmente branca;
    a.4 - Agnatismo ou prognatismo;
    a.5 - Monorquidismo ou criptoquidismo;
    a.6 - Manchas escuras (acinzentadas a pretas) específicas e 
           delimitadas do corpo.
    b. -  Que sem desclassificarem, podem conduzir pela sua 
           intensidade, desclassificação:
    b.1 - Cabeça grosseira e pesada;
    b.2 - Perfis - convexo ou côncavo;
    b.3 - Intensa depressão (seladura) na linha dorso-lombar;
    b.4 - Sacro muito saliente, inserção da cauda defeituosa;
    b.5 - Acentuada depressão logo atrás das espáduas;
    b.6 - Membros muito longos e finos;
    b.7 - Jarretes fracos ou retilíneos;
    b.8 - A pelagem castanho-avermelhada distribuída ao longo do corpo;
    b.9 - A existência de pele-rósea, exclusivamente em região limitada, 
           a vassoura da cauda cinza e a despigmentação parcial das 
           mucosas orais são tolerados em indivíduos que preencham 
           requisitos morfológicos funcionais. 

 


Cruzamento Industrial
Com a estabilização da economia, o boi que era uma "commodity", com caráter de investimento passa a ser uma atividade produtiva, que exige uma maior eficiência do setor, na busca da produtividade e qualidade.
Na busca da produção, pesquisas interessantes são desenvolvidas e novas tecnologias surgem para dar suporte a este processo de transformação que vai permitir aumentar os lucros operacionais da atividade e levarão a contínuos aumentos na produtividade e na qualidade dos produtos.
Neste contexto novos horizontes se abrem e apontam como perspectiva para o aumento de produtividade com qualidade  o cruzamento industrial.
O cruzamento de raças taurinas com zebuínas faz com que se manifeste um sinergismo das características produtivas. Esse aumento de produtividade é traduzido em aumento da velocidade de ganho de peso, diminuição da idade dos animais ao abate, apresentando também um incremento de qualidade através da marmorização provocada pelas raças taurinas, conferindo maior sabor e maciez na carne, mantendo inalterada a capacidade do bovino nacional de adaptar-se às condições normais de alimentação e manejo habituais.
Nesse particular, a raça Marchigiana constitui uma opção ideal para os cruzamentos com os zebuínos, em especial o Nelore, em razão de suas características:



1- Possui pelagem clara, fina e de pelos medulados, em tudo semelhante ao Nelore, mantendo estas características nos produtos cruzados;
2 - Tem pele preta, vascularizada e oleosa, com grande capacidade de dissipação de calor e resistência aos ectoparasitas;
3 - É extremamente rústica e precoce;
4 - Gera produtos de rápido ganho de peso, com sensível diminuição da idade ao abate;
5 - Seus produtos apresentam alto rendimento e  qualidade de cortes cárneos com adequado acabamento de gordura de cobertura;
6 - Permite o aproveitamento das fêmeas cruzadas também para engorda e abate, igualmente precoces.

No sistema de monta natural, um reprodutor Marchigiana pode servir a 40 vacas, e em monta controlada, este número ultrapassa 100 matrizes. Os produtos meio-sangue nascem, em média com 35 Kg, de parições normais. O peso a desmama, em regime de pastagens é em média 240 Kg, e o peso ao abate de 18@ aos 24 meses.
TOP